Um pouquinho alto

O dólar é o assunto da vez. Alheia ao otimismo do mercado com a economia brasileira, a moeda americana vem mantendo sua escalada e renovando máximas históricas, e só recuou ontem após a primeira intervenção do Banco Central no câmbio em três meses.  

O que é mais intrigante é que o real é uma das moedas que mais perderam valor do final do ano passado para cá.

Afinal de contas, porque o dólar, que fechou ontem a R$ 4,33, está “um pouquinho alto”, como admitiu ontem o presidente Jair Bolsonaro?   

Uma reportagem do 6 Minutos mostra que a principal resposta para essa pergunta é, ironicamente, algo positivo para o Brasil: a taxa básica de juros, a Selic, que está hoje no piso histórico.

Os juros brasileiros sempre foram mais altos do que a média, o que fazia muitos estrangeiros aplicarem seus recursos por aqui. Com a queda de 14,25% ao ano (2016) para 4,25% (2020), essa atratividade se reduziu drasticamente em um período de tempo relativamente curto.

Além disso, a Selic continuou a ser cortada mesmo depois de o Fed, o banco central americano, parar de reduzir a taxa americana.

Ou seja, o estrangeiro interessado em ativos de baixo risco, ao olhar os juros dos dois países, vê uma diferença que tende a ser cada vez menor, e foge do Brasil.

Leia tudo sobre o assunto aqui: http://bit.ly/2SoMEQ9
Entre no grupo do 6 Minutos e receba direto no WhatsApp as principais notícias do dia: https://6minutos.com.br/whatsapp
 
Juros baixos, estímulo para a economia real. O melhor exemplo dessa máxima é o financiamento de imóveis, com aumento no número de lançamentos, valorização das ações das empresas do setor e, claro, fundos de investimento imobiliário recebendo cada vez mais aportes.

Entre 2018 e 2019, o total de dinheiro investido nessas aplicações aumentou 187,5%, para R$ 32,3 bilhões. Do total de dinheiro investido, 72,24% saiu do bolso dos pequenos investidores.

Reportagem do 6 Minutos explica que, no FII (Fundo de Investimento Imobiliário), o gestor utiliza os recursos dos cotistas para comprar imóveis, investir em outros fundos também imobiliários ou comprar CRI (Certificados de Recebíveis Imobiliários), títulos de renda fixa.

O investimento mínimo costuma ser a partir de R$ 100 e é de longo prazo, acompanhando os ciclos do mercado imobiliário, que duram entre quatro a seis anos, com os cotistas recebendo dividendos uma vez por semestre.

Quer saber mais? Vai lá: http://bit.ly/2OP6Ok7
Com o dobro de feriados prolongados e a promessa de recuperação da economia, 2020 começa com a expectativa de que os brasileiros viajarão mais neste ano.

Um levantamento detalhado feito pelo site de buscas de passagem Kayak neste início de ano mostra rankings dos destinos mais procurados, os mais econômicos, os destinos fora do radar, as praias mais buscadas e sugestões de lugares para viajar com a família.

Fizemos um resumo das descobertas desse estudo, veja aqui: http://bit.ly/2OU3iVP
Sai Onyx Lorenzoni, entra o general Walter Braga Netto. Como era esperado há algum tempo, o presidente Jair Bolsonaro anunciou uma troca no comando da Casa Civil, com Onyx, que vinha sendo contestado como articulador do governo, deixando o cargo e assumindo o ministério da Cidadania.

Leia mais aqui: http://bit.ly/2URTMX0
Queridinha dos investidores, a empresa de resseguros IRB Brasil Resseguros levou um duro golpe em 2 de fevereiro.

Essa foi a data em que a gestora Squadra Investimentos divulgou um relatório de 150 páginas dizendo ter posição vendida nas ações do IRB (ou seja, uma aposta de que as cotações vão cair). No texto, ainda questionou a veracidade de informações que constam dos resultados da resseguradora.

Após uma queda de 24% no preço das ações, o IRB contra-atacou ao registrar uma reclamação na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) acusando a Squadra de manipulação de preços.

Saiba mais: http://bit.ly/2tVwsfX