O pibinho veio para ficar?

Pibinho. Foi assim que foi chamado o resultado do PIB (Produto Interno Bruto) de 2019, divulgado ontem pelo IBGE. A economia brasileira avançou 1,1% em 2019, engatando o terceiro ano de baixo crescimento. O raio-x do quarto trimestre mostra que nem mesmo a liberação de recursos do FGTS ajudou a salvar a economia. Entre outubro e dezembro, o PIB cresceu apenas 0,5%, confirmando uma leve desaceleração em relação ao trimestre anterior. 
 
Para 2020, ano que começa marcado pela sombra do coronavírus, as expectativas de crescimento do PIB já começaram a ser revisadas para baixo. A própria equipe econômica admitiu que vai cortar a projeção de crescimento de 2,4% para cerca de 2%. Mas o mercado trabalha com estimativas menos otimistas. A XP Investimentos reduziu sua projeção de alta do PIB de 2020 de 2,3% para 1,8%. O BNP Paribas derrubou sua previsão de 2% para 1,5%.
 
Especialistas ouvidos pelo 6 Minutos disseram que é preciso destravar os investimentos para o país sair da era do pibinho. O problema é que a taxa de investimento, que caiu 3,3% no quarto trimestre, só deve voltar a crescer no segundo semestre. “Quem vai puxar a alta do investimento são os setores de demanda agregada, aqueles em que o empresário sabe que vai vender mais lá na frente”, diz Tiago Tristão, economista da Genial Investimentos.
 
Quer saber o que mais vai influenciar no desempenho da economia em 2020? Leia aqui: http://bit.ly/2VLWihW
 
 
Entre no grupo do 6 Minutos e receba direto no WhatsApp as principais notícias do dia: https://6minutos.com.br/whatsapp
 
O dólar voltou a bater novo recorde nominal ontem, fechando o dia em R$ 4,58. Desta vez, a alta foi impulsionada pelo sinal dado pelo Banco Central de que pode fazer novos cortes de juros para administrar possíveis impactos do coronavírus sobre a economia. Saiba mais: http://bit.ly/2ToCIXw
 
O Banco Central do Canadá reduziu ontem a sua taxa básica de juros de 1,75% para 1,25% e disse estar preparado para fazer novos cortes para apoiar o crescimento econômico. Essa decisão acontece um dia após o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) reduzir o juro em 0,50 ponto percentual, em uma medida de emergência para proteger a maior economia do mundo do impacto do coronavírus. http://bit.ly/2IlxENm
 
A cada quatro anos, a eleição dos Estados Unidos volta a preocupar os mercados. Afinal, aquele que chega à Casa Branca comanda a maior potência econômica e política do mundo. Neste ano, a disputa será para definir qual será o candidato democrata que vai enfrentar o republicano Donald Trump em novembro.
 
De duas dezenas de candidatos, dois despontam como os que têm chances reais de conquistar a nomeação. Joe Biden, vice-presidente na gestão Barack Obama, é o favorito e a sua ascensão anima os mercados, que temem o senador Bernie Sanders, político à esquerda no Partido Democrata. Entenda a disputa e as propostas de cada um dos candidatos: https://bit.ly/32SpdSU

 
Fundos de ações que aplicam em apenas uma empresa são uma boa opção apenas para os seus gestores, que são os grandes bancos. Especialistas ouvidos pelo 6 Minutos dizem que não faz sentido colocar dinheiro em fundos de uma única ação. Primeiro porque quem aplica nesse tipo de investimento não diversifica, acaba comprando o papel de uma única companhia. Segundo porque o investidor pode alocar seu dinheiro diretamente naquela empresa, sem precisar de intermediários e sem pagar taxas de administração.
 
Existem atualmente 56 fundos mono ação, como são chamados, acompanhados pela Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), com patrimônio líquido somado de R$ 6,3 bilhões. A maioria é gerida por Bradesco, Itaú Unibanco, Santander, Caixa e Banco do Brasil. Quer saber mais? Leia aqui: http://bit.ly/2wtPMSB
 
Você é do tipo que não pode ver uma promoção que já quer sair comprando? Pensando em pessoas assim, varejistas brasileiros transformaram uma data relacionada ao direito do consumidor em mais um calendário de promoções. Estamos falando do Dia do Consumidor, celebrado no dia 15 de março. A data foi criada para celebrar os direitos de quem compra, mas se transformou por aqui em uma nova versão da Black Friday.
 
Tal como na Black Friday, os comerciantes estenderam a data da liquidação para além do dia 15. Empresas como Casas Bahia, Extra e Pontofrio decidiram fazer a quinzena do consumidor. Entre as vantagens prometidas pelas empresas estão descontos de até 70% e parcelamentos em até 30 vezes em pagamentos com o cartão da loja. Ficou interessado? Leia mais aqui: http://bit.ly/2wwjd6g
 
O problema de quem gasta mais do que ganha é que a pessoa acaba ficando no vermelho. E aí, se ficar com o nome sujo, não pode mais fazer compras a prazo. Pesquisa divulgada pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) mostra que três em cada 10 brasileiros terminaram 2019 endividados. Outros quatro conseguiram fechar o ano no “zero a zero”, ou seja, só tiveram dinheiro para pagar as contas. E apenas dois conseguiram guardar algum dinheiro. O efeito disso aparece no planejamento para 2020: 39% pretendem diminuir o nível de gastos. Leia mais: http://bit.ly/2TmU6vF
 
Você troca a gasolina pelo etanol para economizar nas despesas de combustível? Pois essa economia está diminuindo. Os preços médios do etanol subiram em 19 Estados na semana de 23 a 29 de fevereiro ante a anterior, segundo levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis). Em São Paulo, principal Estado produtor, o preço médio do litro de álcool subiu de R$ 3,049 para R$ 3,057. Saiba como os preços se comportaram no mês: http://bit.ly/39q8Ijw