O inimigo é um só

As dificuldades do coronavírus estão apenas no início para o Brasil, mas já ficou claro que existe uma crise dentro da crise no avanço da pandemia, com estados e o governo federal em pé de guerra.

De um lado do ringue, os governadores Wilson Witzel, do Rio de Janeiro, e João Doria, de São Paulo, que vêm criticando a letargia de Jair Bolsonaro no enfrentamento à infecção e tomaram medidas de restrição à circulação de pessoas.

Do outro, o presidente da República, que continua minimizando os riscos de contágio e que editou, na última sexta-feira, um decreto garantindo ao governo federal a competência sobre a definição de serviços essenciais.

Em um cenário de colapso próximo do sistema de saúde e da economia, o que deve acontecer já no mês que vem, o país deveria estar unido contra um inimigo único, e o seu nome é Covid-19.

https://bit.ly/2U6Ig9o
 
Chamado de “lunático” por Bolsonaro, Doria instituiu quarentena em todos os 645 municípios do estado de São Paulo a partir de amanhã, com o fechamento de todos os negócios que não sejam considerados serviços essenciais (saúde pública e privada, abastecimento, transportes públicos, alimentação, segurança, limpeza e bancos e lotéricas).

Saiba mais sobre as restrições: https://bit.ly/2U6hOwK
 
Entre no grupo do 6 Minutos e receba direto no WhatsApp as principais notícias do dia: https://6minutos.com.br/whatsapp
O impacto da pandemia sobre o modelo de negócios das companhias é tão grande que pode ser permanente. O setor terá que lidar com uma realidade em que as viagens de negócios, que representam mais de 60% dos voos domésticos, perderão parte da importância para as empresas.

Isso acontecerá porque algumas descobrirão que o uso da tecnologia pode substituir com eficácia reuniões pessoais e porque outras temerão novas infecções no futuro, restringindo os voos dos seus funcionários. A avaliação é do sócio da consultoria empresarial Bain & Company e especialista em aviação André Castellini em entrevista ao 6 Minutos.

Confira aqui: https://bit.ly/3dmj1HN
 
O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) anunciou ontem um pacote de injeção de R$ 55 bilhões na economia para reforçar o caixa das empresas e apoiar trabalhadores em meio à pandemia.

Entre as medidas, a suspensão temporária do pagamento de parcelas de financiamento diretos para grandes empresas (R$ 19 bilhões) e indiretos para empresas menores (R$ 11 bilhões).

O banco ainda determinou a transferência de recursos do Fundo PIS-PASEP para o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) no valor de R$ 20 bilhões, o que já havia sido anunciado pelo Ministério da Economia.

Leia mais sobre as medidas: https://bit.ly/2y3ltmB
 
Via Varejo, Magalu ou Lojas Americanas? Qual varejista tem melhores condições de enfrentar a crise que se aprofunda? Analistas ouvidos pelo 6 Minutos acreditam que a queridinha Magalu sai à frente, por dois critérios. O primeiro é a liquidez (o caixa da empresa está fortalecido), e segundo é a atuação digital, que tem sido o grande foco da gestão da varejista.

Já a Lojas Americanas tem deixado suas unidades físicas abertas, e adaptou o portfólio de produtos, transformando suas lojas em mini-mercados. A Via Varejo terá mais dificuldade em fazer esse tipo de adaptação, e não tem um caixa tão fortalecido quanto as outras duas.
Veja mais aqui: https://bit.ly/2WB4UIT
 
Uma pesquisa feita pelo Sebrae mostrou que 83% dos donos de pequenos negócios acreditam que sua empresa sofrerá com os impactos do coronavírus, mostra reportagem do 6 Minutos.

A preocupação vem principalmente do comércio, e incrementar os canais digitais de venda é uma das dicas da entidade, que colocou todo seu time de consultores e seus conteúdos de cursos na internet, de graça.

Leia tudo sobre esse assunto: https://bit.ly/2xew7Gw
 
Você tem conseguido pensar em algo além de coronavírus? Se a resposta é não, você está na companhia de praticamente todo mundo. Desde o começo do mês de março, não param de chegar novas informações a cada instante sobre doença, uma mais preocupante que a outra.

6 Minutos ouviu especialistas que aconselham, em primeiro lugar, a diferenciar pânico de preocupação. Isso pode te ajudar a perceber se está agindo da forma mais consciente ou sob impulso do desespero. Use as notícias para te acalmar, e não para te deixar mais assustado.

Ah, em tempos de excesso de informação, se apegue ao que é oficial e vem dos órgãos internacionais como a OMS: https://bit.ly/2UpfoIu