Cuidado com a pegadinha

Você recebeu o aviso do seu gerente do banco de que terá direito a um upgrade no seu status como cliente. Passará a ser Personnalité, Prime, Estilo ou Select, para citar as denominações dadas pelos maiores bancos do país. É motivo de celebração, certo? Não necessariamente. A depender do uso (ou da falta dele) dos serviços aos quais passará a ter direito, como um gerente dedicado ou acesso a certos fundos de investimento, essa será uma promoção que pode não valer a pena. Isso acontece porque ser cliente de alta renda significa também pagar uma cesta mensal de serviços mais cara.

O fenômeno de transferência de clientes do varejo tradicional para a alta renda ajudou a impulsionar a carteira de investimentos dedicada ao segmento, segundo informações da Anbima (a associação que reúne as instituições do mercado de capitais). E também favoreceu os resultados dos bancos, dada a importância das receitas obtidas com as cobranças de serviços.

De acordo com dados da associação, a quantidade de contas no varejo de alta renda tem subido a um ritmo que é o triplo do avanço no varejo comum.

Diferentemente do segmento private, exclusivo para clientes com mais de R$ 3 milhões investidos, os bancos têm o poder de autodeterminar quem está em cada categoria. Saiba mais sobre a estratégia: http://bit.ly/2Sfo4Bd
Entre no grupo do 6 Minutos e receba direto no WhatsApp as principais notícias do dia: https://6minutos.com.br/whatsapp
As transformações do mercado de crédito no país impactam também um dos segmentos mais importantes para o futuro, o financiamento estudantil. O Fies, programa federal que foi o grande motor de expansão do ensino superior privado no início da década de 2010, encolheu e deve financiar cerca de 15% do que alcançava no seu auge. Mas esse espaço está sendo ocupado pelo crédito privado. É um segmento que deve crescer 18% ao ano até 2025, segundo projeções de analistas, na contramão da redução do Fies. Saiba mais sobre as mudanças e o funcionamento do setor: http://bit.ly/38bKMzT
 
O presidente Jair Bolsonaro quis culpar os governadores e a cobrança do ICMS, um imposto estadual, pelo fato de a queda no preço da gasolina e do óleo diesel anunciada nas refinarias não chegar aos postos de combustíveis. Mas um olhar mais apurado na pesquisa semanal que a ANP (Agência Nacional do Petróleo) faz com mais de 3 mil postos em todo o país revela que há um responsável adicional: a margem de lucro dos postos, que aumentou 8,5% entre a primeira semana de janeiro e a primeira de fevereiro. Saiba quais são as alegações dos postos para a alta: http://bit.ly/2HdFt7e
As chuvas que castigaram a cidade de São Paulo e já haviam feito o mesmo em outras cidades do Sudeste nas últimas semanas deixaram um rastro de prejuízos para empresas e a população. Em momentos assim, a dúvida é saber se o seguro – para quem dispõe dele – cobre perdas contra alagamentos que causam danos a carros e casas. Ou se o trabalhador que não conseguiu chegar ao local do emprego por causa do trânsito e do transporte público paralisado corre o risco de ter o dia descontado. Não há resposta única. O 6 Minutos ouviu especialistas e traz as explicações para cada caso e as orientações sobre como proceder: http://bit.ly/2UMFZRo
O investidor que tomou gosto pelo Tesouro Direto ganhou sete novas opções de títulos para aplicar seu dinheiro. São títulos já existentes, mas com prazos alongados. Tem título prefixado com juros semestrais e vencimento em 2031 e outros atrelados à variação da inflação que só vencem em 2055: é o caso do Tesouro IPCA+ com rendimento que acompanha o IPCA mais 3,42% ao ano, sem contar os juros semestrais. Conheça as demais opções que passaram a ser vendidos pelo Tesouro Direto: http://bit.ly/2UBQ3Ng
Que tal investir em uma startup de hotéis erguidos com impressoras 3D? Soou inovador demais, quase irrealista? Pois essa é a nova aposta de Travis Kalanick, que se notabilizou como o fundador da Uber. Depois de acabar de se desligar da empresa de aplicativo de transporte no fim de 2019, Kalanick decidiu investir na Habitas, que diz que pretende ser o Club Med dos millenials, em uma alusão sarcástica à rede francesa conhecida pelo luxo. Além do uso de impressoras 3D, a Habitas busca se diferenciar pelo ambiente de comunidade e a pegada sustentável. Saiba mais: http://bit.ly/2Sdlagy
A onda da redução da emissão de carbono vai ganhar uma nova fronteira. Bill Gates, o bilionário co-fundador da Microsoft, encomendou o primeiro super iate movido a hidrogênio líquido do mundo, que vai custar cerca de US$ 640 milhões. Produzido pela holandesa Feadship, o iate dispõe de piscina com borda infinita, heliponto, spa e academia, atrativos espalhados por seus 112 metros de comprimento e cinco andares. A embarcação com capacidade para levar 14 convidados e 31 tripulantes deve ser entregue em 2024. A história (em inglês) saiu no The Guardian: http://bit.ly/2OJqrKz